segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Carcavelos: Betão? Mais Não!

Acompanhei a sessão pública realizada em Carcavelos no salão nobre da Junta de Freguesia para perceber o que está proposto e em vias de ser aprovado na Quinta dos Ingleses.
Confesso a minha desilusão e preocupação.

Este processo é efectivamente muito antigo e sempre esteve envolvido em polémica, dada a sua localização.
A proximidade da frente de praia sempre trouxe visibilidade e opiniões extremadas a este processo o que tem levado os diversos e sucessivos executivos camarários a empurrar o assunto com a barriga e evitar que possa contaminar os cíclicos processos eleitorais de quatro em quatro anos.
Acabadinho de passar mais um período eleitoral eis que o assunto aparece para discussão pública.
A tónica colocada por Carlos Carreiras na apresentação do Plano de Pormenor assenta em dois ou três pilares: A existência de acções em tribunal com um pedido de indemnização à CMC de um valor superior a 200 milhões de euros invocando direitos adquiridos pelo proprietário do terreno, a renegociação em baixa do número de fogos previstos passando dos 1.887 previstos em 1985 para 939 fogos previstos no Plano de Plano de Pormenor em discussão pública e a salvaguarda do estacionamento de apoio à praia de Carcavelos previsto no Plano de Ordenamento da Orla Costeira.
Para justificar esta mega intervenção numa zona tão sensível da Freguesia é muito pouco!
Os processos com demasiada longevidade como é este da SAVELOS por vezes são iniciados com pressupostos que mais tarde estão completamente desajustados dos novos paradigmas.

Este é o caso.
Quando este processo foi iniciado não existiam Carcavelos Lux, Quinta da Bela Vista, Quinta de S. Gonçalo, Checlos, Quinta da Alagoa, Quinta do Barão, Riviera ou seja, vários milhares de fogos depois, eis que, porque existem antecedentes e hipotéticas indemnizações a pagar temos que aceitar esta absurda e exagerada intervenção urbanística.
Era exagerada em 1985 e mesmo só com metade dos fogos continua a ser exagerada!
A linha de Costa, que deveria estar reservada para equipamentos hoteleiros leva com um hotel e mais quatro prédios de 8 andares de habitação!
A Avenida Jorge V do lado já construído tem moradias com 2 pisos e do lado desta urbanização leva com 6 blocos edificados, parte deles com 8 pisos!
Para completar o ramalhete temos ainda uma área de serviços e alguns equipamentos sociais, nomeadamente campo de futebol, pavilhão desportivo, centro de dia e escola.
Infelizmente o território não tem a capacidade de esticar até ao infinito e, com o desenho urbano actual, com a densidade populacional que se verifica em Carcavelos, com as infraestruturas existentes, criar mais 939 fogos é insustentável, é um crime urbanístico!
Em Cascais o “planeamento urbanístico” sempre foi casuístico, sempre se analisou o índice de construção de cada urbanização mas nunca se assumiu Cascais como um todo, uma unidade territorial que precisa de ser pensada globalmente, perceber quais os limites a estabelecer para garantir uma efectiva qualidade de vida para os munícipes e para as pessoas que aqui trabalham ou nos visitam.
E a forma como se pretende analisar este processo é a mesma forma cansada e obsoleta de avaliar a bondade de uma operação urbanística.
O índice de construção é mais baixo do que o proposto inicialmente, são garantidos lugares de estacionamento de apoio à praia, até se garantem algumas contrapartidas de equipamentos sociais e desportivos e portanto a solução é boa?!...
Porquê a insistência em viabilizar urbanizações com contrapartidas a realizar pelo construtor quando o valor dessas contrapartidas recaem em mais construção, mais fogos autorizados?
O passado não nos ensinou nada?
Não aprendemos nada com os exemplos tristes que pululam pelo concelho de Cascais de mega urbanizações sem as necessárias beneficiações nas infraestruturas que as servem?
A Guia em Cascais, os Jardins da Parede, a Quinta de S. Gonçalo podiam servir de exemplos a não repetir mas a Câmara de Cascais dá-nos mais do mesmo!
Carcavelos tem de reagir a este atentado que Carlos Carreiras pretende viabilizar!
Não sou defensor de construção zero. Mas há limites que não podem ser ultrapassados.
A linha de costa deveria, ter no máximo duas unidades hoteleiras e não 4 edifícios de habitação e um hotel!
A Avenida Jorge V deveria estar mais protegida da volumetria prevista de 8 pisos quando do outro lado da avenida temos moradias de 2 pisos!
O esforço construtivo para gerar as mais-valias para a construção dos equipamentos sociais deveria ser anulado. O investimento deveria ser assumido pela CMC e não pelo
urbanizador!


A população de Carcavelos não pode pactuar com este atentado!
Vamos utilizar o período de consulta pública do Plano de Pormenor Carcavelos Sul para mostrar que já chega!
Esta solução é indefensável à luz do bom senso!

Se o bom senso anda arredado das pessoas que gerem o município, que seja Carcavelos e a sua população a vincar a necessidade de a ele voltar! 

domingo, 24 de novembro de 2013

Refazer a política em Cascais


Tenho dado alguma atenção ao estado caótico a que chegou a nossa sociedade no que respeita ao exercício do poder.
E vou continuar a chamar os bichos pelos nomes, doa a quem doer!
Passadas as eleições, em Cascais vamos ter mais do mesmo.
Um conjunto assinalável de militantes do PSD e do PP ocuparam literalmente as cadeiras do poder, seja na qualidade de eleitos nos vários órgãos autárquicos, Freguesias, Assembleia Municipal e Câmara Municipal, seja nas várias empresas municipais ou como assessores bem pagos.
A promiscuidade é maior do que o que o comum dos mortais imagina.
A ocupação da estrutura do poder é feita sem regras, sem fiscalização e sem responsabilidade.
Passo a explicar.
Penso que o legislador que criou este modelo de organização do poder local fê-lo com a preocupação de garantir as condições de que os órgãos de cariz executivo fossem devidamente fiscalizados pelos órgãos de cariz deliberativo.
As falhas da Lei e o “engenho” dos políticos trataram de baralhar o conceito de que resultou a situação actual.
Hoje vemos as mesmas pessoas a fiscalizar e a serem fiscalizadas conforme o chapéu que decidem trazer na cabeça.
Convido o caro leitor a fazer o seguinte exercício:
Quantos nomes aparecem repetidos nas listas da coligação Viva Cascais para os vários órgãos autárquicos, quando comparados com os restantes órgãos, com as administrações das empresas municipais, com os lugares de assessores ou mesmo de funcionários municipais?
São muitos não são?
Esta teia serve a quem e para quê?
Não há segredos, o poder está na mão de um grupo confinado de pessoas que por, razões não do interesse geral ou da comunidade mas antes pelo interesse pessoal ou o da sua carteira, controlam as decisões ou pior, cumprem as decisões de um reduzido directório que tomou conta de Cascais e fazem-no sem espírito crítico ou discussão!
Alguém mais tarde ou mais cedo vai ter que colocar um redondo ponto final nesta forma hermética e pouco democrática do exercício do poder.
Não vejo que sejam os Partidos do arco da governação, PSD, PS e PP a tomar a iniciativa de mudar a lei neste particular e também não vejo nos restantes Partidos grande apetência por resolver esta situação. Talvez a salvação acabe por resultar da acção dos movimentos independentes. Talvez…
Mas há medidas urgentes que poderão trazer um pouco mais de dignidade, verdade e verticalidade à actuação dos eleitos.
Atrevo-me a deixar algumas sugestões em modo de iniciador de discussão.
1 - Um autarca de um órgão executivo, seja presidente ou vereador de uma Câmara Municipal ou Presidente ou vogal de uma Junta de Freguesia não deveria poder ser eleito mais de 3 vezes consecutivas nem transitar de um órgão executivo para outro.
2 – Um autarca de um órgão deliberativo, seja Assembleia Municipal ou de Freguesia não pode ter qualquer vínculo com a autarquia a que se candidata ou seja, não deveria ser possível ser ao mesmo tempo membro da Assembleia Municipal e funcionário, assessor ou mesmo administrador de qualquer das empresas ou associações da Câmara ou mesmo funcionário municipal. Quem é funcionário deve ser fiscalizado pelos órgãos deliberativos. Ser fiscal da sua própria actividade parece pouco sério, não é?...
3 – Também parece pouco saudável a dança de cadeiras a que assistimos. Esta tendência para o “trata de mim que a seguir trato eu de ti” tem de acabar! Não deveria ser permitido que ao fim de 3 mandatos consecutivos um autarca possa de seguida ser nomeado para uma qualquer administração de empresa municipal ou estabelecer contrato de trabalho ou de assessoria com a Câmara ou com qualquer das suas estruturas empresariais. O inverso também me parece inaceitável. Quem por nomeação tenha feito três mandatos consecutivos numa administração de uma empresa municipal não deve poder ser candidato a qualquer cargo numa autarquia.
4 – Julgo que deverá ser discutido a possibilidade de tornar obrigatório o voto. É inaceitável que menos de 50% dos eleitores se pronunciem nas eleições e o poder com maioria absoluta seja alcançado com o voto de pouco mais de 16,2% dos eleitores como aconteceu em Cascais!

E sobre isto nem vale a pena o argumento do respeito do direito democrático de cada um decidir se vota ou não. Há maior atentado à democracia que permitir que uma minoria possa impor a sua vontade à maioria?
Não somos inocentes ao ponto de acharmos que os políticos se comportariam da maneira que hoje o fazem se suspeitassem que todos os eleitores, nomeadamente os que se cansaram das suas tropelias e primam hoje pelo abandono ou o desprezo pela classe política, tivessem eles, todos, que ir participar no ato eleitoral…
Outro galo cantaria!...
Temos que nos consciencializar que viver a democracia não é apenas falar dela.
Chamar toda a gente a participar não se faz com o logro do orçamento participativo! Democracia participativa não é o resultado do voto telefónico de algumas centenas de pessoas que se congratula com a grande obra que possa ser a construção de um parque infantil para cães!
Sei que a maioria das pessoas está desencantada, farta de mentira e de oportunistas.
Sei que isso é mau para a democracia.
Mas também sei que chamar as pessoas a participar activamente nas decisões da gestão da coisa pública tem que partir da vontade dos políticos de trazer transparência a essa gestão, ter uma relação de verdade com o eleitor.
Isso não está ao alcance de todos!
Isso, não está ao alcance da actual classe política que dirige os destinos do nosso concelho.

Verdade e transparência? O que é isso para eles?

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

REFLEXÕES ELEITORAIS

O ato eleitoral de 29 de setembro último não trouxe boas notícias.
Carlos Carreiras, líder da coligação Viva Cascais alcançou a maioria absoluta na Câmara Municipal de Cascais e, conforme as várias opiniões que aqui tenho expresso nos últimos meses, isso, no meu entendimento não é uma boa notícia.
Mas, em democracia a lista mais votada é a que ganha e Carlos Carreiras e a equipa que lidera estão de parabéns.
No entanto, e num preocupante crescendo, estas eleições ditaram uma abstenção absolutamente exagerada em Cascais, com 62,01% dos eleitores a não votarem!
106.988 eleitores, dos 172.537 inscritos não participaram no ato eleitoral! Isto não é uma boa notícia!
Dos 65.549 que participaram, 5.951 votaram branco ou anularam o boletim de voto. Isto também não é uma boa notícia!
Bastaram cerca de 2,7% dos eleitores para eleger cada um dos vereadores!
A democracia, em que o processo eleitoral universal é a mais sublime demonstração de que todos podem participar nas escolhas, está posta em causa.
Porquê?
Tenho uma leitura, que não é certamente unânime, mas ainda assim atrevo-me a partilhar com os leitores.
A abstenção crescente é um sintoma direto da falta de qualidade dos intervenientes na política, nomeadamente nos Partidos Políticos.
O descrédito crescente, emanado de uma classe política sem ética e com poucos hábitos de falar verdade, os escândalos sucessivos, as mentiras eleitorais que sistematicamente são debitadas como promessas que depois não são cumpridas, o manifesto desinteresse no eleitor enquanto pessoa, têm construído um exército crescente de pessoas que não acredita nos agentes políticos da atualidade.
Há quem acuse os candidatos dos Partidos Políticos de serem os grandes responsáveis pela situação a que se chegou.
É parcialmente verdade. Contudo não sejamos apressados a endossar as culpas. Todos os que se apresentaram a votos têm uma quota-parte de responsabilidade.
Eu, enquanto candidato derrotado nas eleições para a Assembleia da União de Freguesias de Carcavelos e Parede tenho também responsabilidade, ao não ter sabido passar uma mensagem que fosse capaz de fazer o eleitorado desta união de freguesias acreditar que a minha lista podia representar uma mudança nos processos e nas atitudes e era merecedora do voto da maioria dos eleitores. Falhei.
E como eu falhei também os outros candidatos falharam.
Mas a questão que se coloca é pertinente:
Todos, Partidos e Movimentos, que se interessam pelo fenómeno da Política, estão conscientes que têm que acertar o passo nesta matéria?
Julgo que a resposta a esta pergunta não é, também, uma boa notícia.
Os Partidos estão atacados de um autismo, de uma cegueira que não os deixa ver que estão a um passo do abismo e já levam o pé levantado para caminhar nessa direção!
Não se vislumbra a mais pequena intenção de corrigir esta forma de fazer política.
No dia seguinte às eleições, Carlos Carreiras veio logo zurzir os adversários, ameaçar todos os que não pensam da mesma maneira e assumem críticas públicas, iniciar processos de chantagem política, mais do mesmo!
Resta pelo menos ao Movimento SerCascais essa nobre atividade de não deixar morrer a democracia em Cascais, de continuar a lutar por trazer uma luz que se instale na consciência de cada cidadão de Cascais e os faça acreditar que vale a pena lutar pelo concelho, lutar por princípios, lutar com ética e com verdade.
Eu estou disponível por participar nesse trabalho. E vocês?

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

O EUCALIPTO DE CASCAIS



Há alguns padrões morais que me perseguem desde a infância e que me condicionam o comportamento enquanto pessoa.
Mal ou bem os meus pais educaram-me na necessidade de respeitar os outros, não fazer aos outros o que não gosto que a mim me façam, e a viver com o que ganho com o meu trabalho, nem mais um tostão.
Uma educação com princípios morais leva-nos a fazer por vezes um exercício de auto avaliação, uma espécie de exame de consciência.
Não é fácil estarmos sempre de acordo com o que dizemos e fazemos mas também não conheço ninguém suficientemente perfeito para atirar a primeira pedra.
Quem tem estes princípios morais tem que aprender a viver com as suas fraquezas e enfrentar um processo de “melhoria contínua”…
Mas há quem não seja assim.
Essa é a conclusão que sou levado a tirar após a leitura do artigo hoje publicado no Jornal i, atribuído a Carlos Carreiras.
No artigo, com título sugestivo de “O eucalipto da Europa” discorre-se um conjunto de ideias sobre Angela Merkel nomeadamente o seu papel cinzento ou negro em relação à Europa e ao seu futuro e a importância das eleições na Alemanha.
Quanta analogia podemos nós fazer em relação a Cascais e às próximas eleições autárquicas.
Troque-se Merkel por Carreiras, Alemanha e Europa por Cascais, e temos um quadro com tantas semelhanças que assusta!
Quem consegue fazer a análise sobre os outros de forma tão assertiva é uma pena não ser capaz de na mesma medida o fazer sobre si mesmo e a sua ação!
Carlos Carreiras prepara-se para ser a Merkel de Cascais: Um forte eucalipto que irá secar tudo à sua volta.
E se lhe sobra em política falta em humanismo, se tem uma vontade imensa de se afirmar como líder incontestado, não faz o mínimo esforço de o ser pela razão optando sempre pela força.
Carreiras quer ser líder, quer ter o poder, mas não tem paciência nem perseverança para o ganhar no reconhecimento e confiança dos seus pares, usurpa-o!
Faz-me muita confusão, (ou talvez não…) que homens reconhecidos democratas de sempre, como Francisco Balsemão ou Marcelo Rebelo de Sousa, aceitem como bom este modelo de exercício de poder. Mas a vida empurra-nos a fazer coisas que no nosso perfeito juízo provavelmente não faríamos…
As próximas eleições serão capitais na definição do futuro de Cascais.
Carreiras já demonstrou em muitas situações nos últimos anos que o seu objetivo principal pouco ou nada está relacionado com Cascais e as suas gentes. O seu objetivo principal e único é a obtenção do poder. E não julguem que lhe chega ter poder, para Carreiras o poder tem que ser absoluto.
Demonstrou uma falta de respeito pela história de Cascais ao apagar a marca Estoril, um desrespeito avassalador pelo munícipe contribuinte pela forma como esbanja dinheiro em Festas e Conferências de utilidade duvidosa, o fulgor e o dinheiro gasto na “reorganização” das empresas municipais para apagar toda e qualquer marca de António Capucho, a forma despudorada como criou uma máquina dentro do universo da Câmara para trabalhar não em prol de Cascais mas em prol de Carreiras! Operadores de Câmara, aprendizes de jornalistas, uma horda de novos empregos pagos pelo erário público que não foram gerados pelas necessidades de servir os munícipes e Cascais.
Já pensaram que com menos 300 boys pendurados no orçamento, menos Festas e Conferências, muito provavelmente era possível fazer mais obra e diminuir os impostos e as taxas cobrados pelo Município, aliviando a corda que nos faz o garrote a todos em Cascais? E isso provavelmente não iria gerar mais endividamento do município?
Tenho a firme convicção que Carreiras também já pensou nisso mas está-se borrifando! A horda faz-lhe falta, são trezentos votos, e as Festas e as Conferências dão para pagar muito favor e esconder muita despesa…
Mas em democracia o povo tem o poder de através do voto poder fazer valer a sua vontade.
No entanto, o país e o município em que vivemos tem feito muito pouco para que se mantenha a vontade de participar no ato eleitoral.
A educação cívica, a utilização do poder com ética, teriam sido fundamentais para manter a chama da participação ativa das pessoas nas decisões sobre o seu futuro e na nomeação dos seus representantes. Não foi isso que tivemos, infelizmente.
Mas, entrar em negação não vai corrigir este problema. Temos que procurar usar o voto para mudar este estado de coisas. E se os políticos mentirem e nos defraudarem as espectativas temos de usar de novo o voto contra eles!

Baixar os braços significa não só deixar crescer um eucalipto em Cascais mas pior, transformar isto tudo num imenso eucaliptal!

domingo, 28 de julho de 2013

PARTIDOS, DEPENDENTES E… INDEPENDENTES …

Os Partidos há muito tempo que deixaram de ser os representantes dos eleitores na gestão da coisa pública nacional e local.
Como num filme de ficção científica em que a máquina ganha vida e vontade própria, também os Partidos passaram apenas a representar-se a si próprios, que é como quem diz, passaram apenas a representar o conjunto de pessoas que tomaram conta das estruturas partidárias, agilizando-se de lugar em lugar, ora nos governos e nas empresas públicas ora nas assessorias nas câmaras e nas empresas municipais.
O papel dos Partidos enquanto representantes da população deixou de fazer sentido.
Mas, sendo a democracia o sistema menos mau de governo, convém não perder de vista a necessidade de, em cada momento, encontrarmos a melhor forma de lhe dar saúde, frescura, vida. Este objectivo tem norteado os meus actos mais recentes.
Não pretendo afirmar-me como um exemplo, um fora de série, um iluminado, porque tal tenho a certeza de não ser. Mas todos os dias me esforço por ser coerente com as ideias que defendo, sempre com a preocupação de agir e pensar com a ética, com verdade e com seriedade.
Por isso optei por me juntar ao Movimento SerCascais.
Carlos Carreiras defendeu em artigo publicado no Jornal i que os movimentos independentes mais não são do que um conjunto de ressabiados da política que, por não terem lugares se decidiram por se encostarem a outras soluções.
Vale a pena discutir esta tese e ver até que ponto é que é verdadeira ou não passa de uma falácia.
Pode até ser verdade que em alguns casos isso se tenha verificado. Como há muitos casos, entre os quais me incluo, dos que se fartaram de ver o Partido em que militavam demonstrar um total desrespeito pelos seus militantes porque a “máquina directiva” demonstrava uma total incapacidade de perceber a opinião da maioria dos que constituem o Partido.
Afinal onde está o mal? Está nos que, sentindo que o Partido não os representa e respeita condignamente, decidiram procurar uma alternativa de afirmar os seus pontos de vista ou o problema reside efectivamente nas “pessoas” que invadiram os centros de poder partidários e apenas orientam a sua acção para ver perpetuados os seus lugares e as suas influências?
Olhemos para o caso da vizinha Sintra.
Marco Almeida é vice presidente de Fernando Seara em Sintra. A concelhia do PSD decidiu aprovar a sua candidatura à Câmara Municipal de Sintra. A Distrital, porque Marco Almeida não fez parte da facção de Miguel Pinto Luz e de Carreiras na Distrital do PSD, e porque não apoiou Pedro Passos Coelho para a presidência do PSD, foi vetado, e no seu lugar inventam Pedro Pinto que de Sintra só se deve lembrar do mítico “Maria Bolachas”. Por outro lado a mesma Distrital pretende candidatar a Lisboa Fernando Seara, o candidato que por lei já não o pode ser (mas o PSD insiste que o problema só existe se for em Sintra…) e que tem ainda como vice presidente o Dr. Marco Almeida.
Ora se o trabalho de Seara é defensável para, mesmo contra a lei, pretenderem que volte a ser candidato agora a Lisboa, Marco Almeida não serve para ser candidato a Sintra?...
Marco Almeida decide avançar com uma candidatura independente. É ele que está errado? É dele a responsabilidade de “contrariar” a vontade do Partido ou foi o Partido, a máquina partidária, o poder cego e autocrático do PSD que decidiu excluir os militantes de base desta decisão?
Carlos Carreiras, coloca um forte azedume contra os movimentos independentes porque começam a ter uma expressão que põem claramente em causa o exercício autocrático do poder após as próximas eleições e, cúmulo dos cúmulos, não são por si controláveis.
Ter um Partido em que uma boa parte dos seus militantes são neste momento dependentes da folha de ordenados da CMC ou das suas empresas municipais é fácil de controlar. Ter uma composição do executivo camarário dividido entre PSD e PS não é difícil controlar. Carreiras, nos dois últimos mandatos, colocou no bolso quer o Vereador do PCP quer parte dos vereadores do PS pelo que não lhe faltará arte e engenho para o voltar a fazer.
Mas, se se confirmar que a onda independente de Sintra (dizem as sondagens que Marco Almeida lidera as intenções de voto) se está a propagar a Cascais e Isabel Magalhães conseguir aquilo que há um ano só podia ser entendido como uma surpresa impossível em Cascais?
Os militantes do PSD mais “dependentes” estão claramente nervosos. Desconfiam que o provérbio popular “Agosto tem a culpa, e Setembro leva a fruta” possa mesmo querer dizer que o fim do bem bom se aproxima!
Sente-se um ar libertador.
Mas o sucesso ou o insucesso de Cascais está muito dependente de a sua população acordar, perceber o que está em causa, e não deixar de ir votar, conscientemente, no próximo dia 29 de Setembro. 
O nível de abstenção vai determinar se Cascais consegue renascer das cinzas ou se vai continuar a atolar-se em Festas e em dívidas!

domingo, 19 de maio de 2013

SE ASSIM FOSSE, VOTAVA EM CARLOS CARREIRAS…



Carlos Carreiras tem demonstrado que tem um plano muito bem delineado para ser o próximo Presidente de Câmara de Cascais. 

É um processo que foi pensado há anos, que paulatinamente tem vindo a ser implementado e que tem origem na sua fase menos feliz em termos profissionais quando foi despedido do grupo Sousa Cintra. 

Envolveu-se com a “máquina” de António Capucho e, pé ante pé, foi afastando do caminho tudo o que poderia a curto ou a médio prazo ser um potencial impedimento aos objectivos traçados. 

Em 2002 defendeu que um Presidente de Comissão Política Concelhia não poderia nunca ser candidato à Câmara porque eticamente punha em causa a relação entre Comissão Política Concelhia fiscalizadora da actividade da Câmara e o executivo camarário. 

Desta forma afastou das listas da Câmara o então Presidente da Concelhia Fernando Mesquita. 

Hoje, com a desfaçatez que se lhe conhece, é Presidente da Concelhia do PSD e candidato à Câmara de Cascais! 

Rodeou-se de um conjunto de jovens oriundos das lides da JSD na sua fase mais recente do “vale tudo para ficar por cima”. 

Miguel Luz foi quem apurou o processo de controlar a máquina de votos em que a JSD se tornou e teve um excelente seguidor em Nuno Piteira. Esta máquina foi capaz de ganhar eleições partidárias em Cascais mas foi determinante nas vitórias de Carreiras e de Luz na distrital do PSD! 

Em recentes eleições partidárias em que estive como delegado na mesa eleitoral em Cascais assisti a um jovem que só tinha o cartão de militante para votar e, quando perguntado qual o seu último apelido, não foi capaz de se lembrar… Sintomático!... 

Com o avançar deste projecto de poder, Carlos Carreiras manteve um núcleo mais ou menos restrito de seguidores jovens locais e foi afastando a quase totalidade dos militantes que estiveram na origem da candidatura de António Capucho. 

Como pagamento dos “milagres distritais” inundou a Câmara e as Empresas Municipais de profissionais do voto partidário de todas as secções do PSD do Distrito de Lisboa. 

Hoje, embora se intitule de candidatura Viva Cascais, não existe nada, nem mesmo de uma forma residual, do ADN da candidatura de António Capucho, nem nas práticas, nem nos conceitos e objectivos programáticos. 

As campanhas de Capucho eram focadas em Cascais, nas pessoas, nas suas necessidades e nos seus anseios. A governação de Capucho não se afastou um milímetro das suas promessas eleitorais! 

Carreiras reorientou tudo apenas com o objectivo final de detenção do poder em Cascais e tudo o mais, Cascais e as pessoas, passaram de principal a acessório! 

É triste mas é também muito perigoso! 

Os recursos da CMC têm sido utilizados de uma forma despudorada para construir a imagem de Carlos Carreiras, com uma gestão que trará uma factura enorme aos próximos executivos municipais. 

Atente-se num dos últimos exemplos: As Conferências do Estoril! 

Estas conferências terão custado 3 milhões de euros! Contaram com uma assistência de 250 convidados do Senhor Presidente Carlos Carreiras ou seja, tiveram um custo de 12.000 € por pessoa assistente! 

Mesmo que fossem todos munícipes de Cascais, o que deveriam pensar os outros 200.000 que não receberam convite? 

Terá Carlos Carreiras a intenção de tratar os outros munícipes de forma equitativa? Mas com que dinheiro? 

Para cada criança que nem uma refeição decente tem por dia, uns míseros 1825 € garantem essa refeição por um ano! 

A comparação destes dois valores diz tudo o que há para saber sobre a prática de Carreiras a gerir os recursos dos munícipes! 

Se o nível de exigência dos planos que Carreiras tem para Cascais e para os seus munícipes fossem do mesmo rigor com que planeou todo o marketing político com que pretende perpetuar-se no poder em Cascais, esta terra tinha futuro! 

Certamente estaria desenhado e aprovado um novo Plano Director Municipal, com ideias claras de desenvolvimento urbanístico, de desenvolvimento económico e desenvolvimento social dos habitantes de Cascais. Saberíamos já qual a estratégia para redinamizar a economia de Cascais, a criação de emprego, a fixação de riqueza, a valorização turística do território, na sua frente de mar de Cascais até Carcavelos e na sua relação com o Parque Natural. Existiria um plano de minimizar as assimetrias entre o litoral e o interior do concelho, o espaço público das Freguesias do interior estaria ao mesmo nível da preocupação e de investimento que as do litoral, nesta época de “vacas magras” estaria previsto um plano de sustentabilidade das associações e colectvidades do concelho que tão bom trabalho desenvolvem nas áreas da cultura, do desporto e do apoio social. Estava definida uma política ambiental sustentável, com um plano de resíduos assente na promoção do reaproveitamento e na reciclagem, e com a implementação de uma estratégia clara em políticas energéticas para o Concelho. Estaria ainda em curso um plano arrojado de dotar este concelho com uma rede viária estruturante, que não só permita uma correcta mobilidade dentro do concelho e nas ligações com os vizinhos e com Lisboa como também seja o suporte, o sinal de que as industrias, as actividades produtivas, podem regressar a Cascais porque o caos já era! 

Mas não é isso que se passa, não é isso que nos espera! 

Se Carreiras estivesse tão interessado no futuro de Cascais e dos seus munícipes como está com o seu futuro, eu era homem para apoiar e aconselhar o voto na Coligação Viva Cascais. 

Mas o que se passa na realidade é a demonstração clara de que o PSD enquanto Partido, em Cascais está subjugado aos interesses de Carlos Carreiras e a defesa de Cascais e das gentes que lá vivem e trabalham deixaram de ser prioridade. 

Os outros Partidos, uns mais e outros menos, não conseguem ajustar-se à prioridade que Cascais deveria sempre representar. Há sempre um conjunto maldito de outros interesses que se levantam com mais força e que deixam Cascais e os Cascalenses para segundo plano. 

Resta pois apoiar uma candidatura que seja independente, que esteja livre dos jogos e das obediências partidárias, cuja única preocupação seja Cascais e as suas gentes. 

Chegou a hora de mostrar aos Partidos que a palavra e a vontade têm que ser devolvidas aos representados! 

Chegou a hora de voltar a SER CASCAIS! 

domingo, 21 de abril de 2013

ADEUS PSD… OLÁ CASCAIS!



Ao fim de 30 anos de militância partidária activa, tendo desempenhado lugares de responsabilidade partidária e autárquica, vejo-me na necessidade de apresentar a minha demissão do PSD.
Não é segredo para ninguém, nas muitas linhas que tenho partilhado neste blogue, que me move uma enorme paixão por Cascais e que tenho uma opinião muito crítica à gestão autárquica imprimida por Carlos Carreiras em Cascais.
Poderia tomar uma atitude do tipo “quem boa cama fizer, nela se há-de deitar…” como diz o velho ditado, e esperar que a bronca se dê, que Carlos Carreiras ganhe as eleições e literalmente dê cabo de Cascais, com as suas fantasias, no decurso dos próximos 4 anos de mandato, para depois afirmar do alto da “minha cátedra” o quanto  eu tinha razão!
Mas para mim Cascais é demasiado importante para que eu fique bem com a minha consciência ao tomar uma atitude de desinteresse.
Para mim Cascais é mais importante que o PSD.
Nunca vi o Partido como um fim, antes um meio que pode permitir aos que gostam de política poderem trabalhar em prol da sua comunidade, seja ela local, regional ou nacional.
Desde sempre afirmei que não faz sentido alguém demitir-se de um Partido porque esteja temporariamente em desacordo com este ou aquele dirigente. A mudança de um Partido, pensava eu, faz-se estando lá dentro.
Enganei-me.
O PSD de Cascais, na forma que lhe foi dada por Carlos Carreiras, está blindado e é impossível de mudar enquanto o PSD for poder na autarquia.
Ficar neste PSD em Cascais é comprar o bilhete para me sentir envergonhado pelo trabalho que o “meu” Partido tem estado a fazer na autarquia de Cascais nestes dois últimos anos e se prepara para continuar a fazer por mais quatro anos, agora ao abrigo da legitimidade das eleições que se avizinham.
Por isto, embora me continue a sentir tão social democrata como no dia em que me filiei no PSD, vejo-me na necessidade de o abandonar.
Se quero lutar pela terra em que nasci, tenho que lutar fora do PSD, e ajudar a criar alternativas para que Carlos Carreiras não possa ser Presidente de Câmara.
O que se passa com o projecto Savelos em Carcavelos, o que se passa com o antigo Hotel Nau em Cascais, o que se passa com o Hotel Inglaterra ou com o Hotel Paris no Estoril são exemplos do que é a nova filosofia urbanística deste Presidente de Câmara, o que se passa com a Tratolixo e a gestão ambiental é uma boa demonstração da nova filosofia ambiental deste Presidente de Câmara, o que se passa com tanta festa e tanto espectáculo é uma boa demonstração do desrespeito que este Presidente de Câmara tem pelos impostos dos seus munícipes!
Cascais, a autarquia de Cascais, não aguenta mais 4 anos deste tipo de irresponsabilidade financeira imprimida pelos devaneios de Carlos Carreiras e pela incompetência de Nuno Piteira.
Há um véu de promessas, do Paraíso anunciado em Cascais, que os munícipes vão perceber que não passam de mentiras.
Os Paquetes, as universidades, não passam de uma aldrabice pegada. Só que depois das eleições será tarde para perceber o logro…
Por não querer continuar neste pé fora outro dentro, saio do PSD para poder continuar a lutar por Cascais com toda a liberdade que não prescindo de exercer.
Adeus PSD…
Olá Cascais!

sexta-feira, 12 de abril de 2013

VIVA CASCAIS, MAS… CUIDADO COM AS IMITAÇÕES!


Viver Cascais foi o nome da coligação encabeçada por António Capucho, com PSD CDS e alguns representantes de movimentos cívicos, que em 2002 ganhou inequivocamente as eleições autárquicas em Cascais e trouxe a seriedade, a verticalidade e um projecto a pensar no futuro de Cascais e das pessoas que ali vivem e trabalham.
Eu tive a honra de fazer parte do grupo que ajudou a tornar realidade este virar de página em Cascais.
Foram 4 anos de mandato a sério, com obras municipais, escolas, infra-estruturas desportivas, culturais e sociais, uma revolução ao nível da política ambiental do município.
António Capucho foi e será uma referência para todos os que acreditaram no projecto e de alguma forma tiveram a oportunidade de apoiar a sua execução.
Que saudades!
Em 2006 a Coligação mudou de nome: Viva Cascais.
A revolução estava iniciada e ficava o convite para viver Cascais. Mas, o novo executivo enfermava de um problema grave: como numa capoeira, despontava um segundo galo sempre a querer usurpar o poleiro…
A chegada de Carlos Carreiras ao executivo de Cascais veio a mostrar-se fatídico para o projecto, para o PSD e para Cascais. Pior do que isso, foram tantas as tropelias, tantos os boys, tantas as decisões enviesadas, tantas perseguições e ajustes de contas que uma boa parte dos militantes do PSD e apoiantes da coligação deixaram de se rever neste projecto.
Até António Capucho se fartou e saiu batendo a porta.
O PSD Cascais é hoje dominado a partir dos militantes que são funcionários ou assessores da Câmara ou das Empresas Municipais o que, como se compreende, faz com que a carteira fale mais alto que a lógica, a política ou os interesses dos munícipes!
Para as próximas eleições Carlos Carreiras prepara uma espécie de passe de mágica que é profundamente grotesco.
A coligação, ao que parece passa a chamar-se de “Movimento”! Não passa de uma coligação, suportada por dois partidos, mas chama-se Movimento…
Porquê?
Porque Carlos Carreiras continua a acreditar que é manifestamente mais esperto que os restantes mortais que votam em Cascais.
Não é segredo que um vasto conjunto de pessoas, eleitores em Cascais, se fartaram das respostas dadas pelos Partidos Políticos.
Também a situação a nível nacional não ajuda, e é expectável que os Partidos da Coligação Viva Cascais venham a pagar nas urnas o efeito desse desgaste.
Mas os exemplos que nos chegam todos os dias da Câmara de Cascais, com as diatribes de Carlos Carreiras, qual Berlusconi de Cascais, os seus acessos de esperteza saloia polvilhada de má criação, com as patetices que os seus vereadores de mão, Miguel Luz e Nuno Piteira e a horda de assalariados do PSD  vão fazendo, têm empurrado um número crescente de cidadãos para fora da lógica partidária.
Essa a principal razão do aparecimento de vários movimentos em Cascais, que se afirmam numa lógica anti-partidária.
Ora como se combate a deserção do voto dos Partidos para os movimentos que se preparam para ir também a votos?
Carlos Carreiras inventou a solução – transformar a Coligação Viva Cascais num “movimento”, fingindo que a adesão “espontânea” de munícipes pode branquear ou escamotear o apoio partidário que dirige a sua candidatura.
Ou seja, Carlos Carreiras assume que a solução é fazer aquilo que melhor sabe executar – a trapaça!
Os “Manueis de Oliveira” da Coligação Viva Cascais (ou como agora é chamada Movimento…) bem se podem esmerar em editar filmes atrás de filmes com os contributos dos cidadãos mais ou menos desconhecidos a gritar apoios ao Movimento.
Por mais que seja apelidado de Movimento, a Coligação Viva Cascais não é mais do que uma coligação do PSD de Carlos Carreiras e do CDS.
Embora Carlos Carreiras e os seus mais próximos colaboradores achem que sim, o eleitor comum já não vai assim em cantigas…
A verdade é um conceito tão dificil para Carlos Carreiras!...

domingo, 31 de março de 2013

CIDADANIA EM CASCAIS PRECISA-SE!


Sou pela cidadania.
Pela séria.
Pela gestão responsável da coisa pública, em nome dos cidadãos e pelos cidadãos.
Sou pela criação de mecanismos de envolvimento dos cidadãos nas decisões que lhe dizem respeito, nas que tocam na sua qualidade de vida, nas que têm repercussões no seu futuro e dos seus descendentes.
Aos políticos estava reservado o papel de serem os garantes do exercício da cidadania por todos.
Todos sabemos que hoje não é assim.
As poucas excepções que confirmam a regra são em muito menor número do que os políticos que têm uma visão bem diversa do que é o exercício da gestão pública considerando-se o princípio, o meio e o fim das decisões tomadas, esquecendo que o lugar que ocupam é em representação dos seus eleitores.
Também os eleitores há muito tempo desistiram de exigir uma correcta representação pelos políticos acabando por fazer o jogo de “deixar andar”…
Em Cascais, Carlos Carreiras é um exemplo, um bom exemplo do que acabo de referir.
Carlos Carreiras não faz a menor ideia, nem quer fazer, de quais são os interesses dos seus munícipes, os seus anseios, as suas necessidades.
Tudo em Carlos Carreiras gira em torno da afirmação do seu poder pessoal.
Se temos em Cascais zonas onde os arruamentos estão em estado deplorável, sem passeios, imagens do terceiro mundo na Europa, isso pouco interessa a Carreiras mas trazer, a preço de ouro o Senhor Frederik de Klerk para estar numa conferência a falar uma hora e aparecer na fotografia ao seu lado já parece ser prioridade.
Insistir em não resolver os autênticos cancros viários que tiram a paciência diária a milhares de munícipes que se deslocam no concelho, não ter uma estratégia de reabilitação da economia de Cascais, ajudar a desbaratar o património da imagem turística do Estoril, e cereja em cima do bolo, delapidar as finanças camarárias em festa e foguete acreditando que, quando faltar o dinheiro definitivamente inventará uma desculpa ou uma nova estratégia que lhe permita enfiar um bocadinho mais o barrete que tem enfiado na cabeça dos munícipes, é o que espera Cascais se os eleitores não decidirem arrepiar caminho nas próximas eleições autárquicas.
Carreiras vai destruir Cascais para construir o seu exercício de poder!
Carreiras destruiu a estratégia ambiental que tinha sido implementada por António Capucho, destruiu a estratégia Cultural que tinha sido implementada por António Capucho, destruiu a estratégia de Turismo que tinha sido implementada por António Capucho e em substituição temos melhores estratégias?
Não, não temos estratégias porque isto são temas que não interessam!
Estes temas têm implicações no dia a dia dos munícipes de Cascais mas não têm qualquer importância para afirmar a estratégia de poder de Carlos Carreiras.
Por isso não interessam!
Carlos Carreiras transformou a política em Cascais numa espécie de prestidigitação.
Vivemos no mundo do faz de conta.
Afirma Carreiras que Cascais é um exemplo de Democracia Representativa.
Chamar democracia representativa a umas sessões participadas pelos “clientes do costume do PSD” polvilhados com meia dúzia de bem intencionados cidadãos que julgam que estão a participar num processo democrático é um abuso! Chamar democracia representativa a reuniões com menos de 1% dos representados é brincar à democracia!
Aliás, o exemplo que Carreiras levou para dentro do PSD Cascais é o paradigma do seu pensamento filosófico de democracia e de representatividade. Em Cascais o PSD está definitivamente disciplinado é às ordens do Presidente da Concelhia do PSD que é Carlos Carreiras. Que é também o candidato a Presidente de Câmara. Sempre que seja necessário que o PSD fiscalize a actuação dos seus autarcas em Cascais já sabemos qual será o veredicto: Está tudo bem…
Cascais tem que acordar. Tem que perceber que este caminho é mau e tem consequências sérias para o futuro.
Em Cascais a gestão camarária já teve muitos momentos infelizes em que ficaram sequelas para as gerações vindouras. O urbanismo e os bairros de génese ilegal são dois bons exemplos que todos deveriam pretender não ver repetir.
Ora o bem de Cascais, o bem dos munícipes de Cascais e os objectivos de poder de Carlos Carreiras são incompatíveis!
Nas próximas eleições, os eleitores vão ter que escolher um projecto para Cascais ou a ausência dele…