segunda-feira, 29 de agosto de 2016

NOTORIEDADE A SUBIR E A ESPERANÇA A DESCER…



Terminaram ontem as Festas do Mar em Cascais.
Esta iniciativa da Câmara de Cascais foi mais uma vez um sucesso com enchentes de assistência aos vários espetáculos.
Este ano voltei a não estar presente.
No dia seguinte ao espetáculo dos repetentes Xutos e Pontapés (por sinal foi o último espetáculo a que assisti das Festas do Mar há dois anos) o meu facebook foi inundado com selfies e fotos do espetáculo.
Os meus amigos de Cascais, claro, mas também os meus alunos e amigos de Sintra, de Mafra, de Oeiras, de Lisboa, todos a marcar presença no concerto gratuito, oferecido pela Câmara de Cascais.
Cascais foi o ponto de encontro da Área Metropolitana de Lisboa nas Festas do Mar.
Mais uma vez, a Câmara liderada por Carlos Carreiras a promover uma iniciativa focada na grande região de Lisboa e no destaque que possa ter no País e menos preocupada com todos os Cascalenses, com todos os eleitores de Cascais.
É apenas um exemplo em muitos que podem ser aqui elencados.
Há pouco tempo foi anunciado o programa Mobi Cascais, que mais uma vez elege a Vila de Cascais como fonte de preocupação única em termos de mobilidade, de estacionamento e de vias cicláveis, como se o concelho terminasse para poente no Monte Estoril, para norte no Pai de Vento e no Cobre.
Para quem vive em Alcabideche, em S. Domingos de Rana, em Tires, em Parede ou em Carcavelos, parece que os problemas do estacionamento, da mobilidade, não se colocam!
Estarão resolvidos e fomos nós que não demos por isso?
Com as Festas do Mar foi dado o pontapé de saída para a disponibilização de Rede Wi-Fi gratuita.
No concelho todo?
Não, claro que não. Apenas no litoral, Carcavelos, Estoril e Cascais.
A preocupação com os visitantes dos concelhos limítrofes é assumida no texto que copiamos do site da Câmara de Cascais:
“Está disponível, a partir de hoje, a 1.ª fase da Rede Cascais WI-FI, acessível de forma gratuita a todos os que quiserem usufruir e estarem conetados em 5 pontos do concelho. Enquadrando este lançamento nas Festas do Mar, quisemos proporcionar uma nova experiência aos milhares de pessoas que nos visitarão nos próximos dias e a oportunidade de, mais rapidamente, partilharem o ambiente alegre e contagiante do Palco Festas do Mar.”
Sabemos que o desenvolvimento do município se faz também com o turismo, interno e externo, e que garantir que Cascais assume essa atratividade para estrangeiros e para habitantes da Área Metropolitana de Lisboa é crucial para melhorar o nível de vida das gentes de Cascais, salvaguardar o emprego ou até aumentar a sua oferta.
Mas fazer de conta que Cascais se resume à orla costeira, às praias, á Vela e às Conferências do Estoril é esquecer que também há munícipes no interior do concelho, que também há cascalenses em Alcabideche, na Amoreira, em Bicesse, em Manique, em Alcoitão, em Trajouce, em Abóboda, em Tires, em S. Domingos de Rana, no Murtal, no Penedo, em Sassoeiros, na Rebelva, no Arneiro!
Senhor Presidente, olhar para o interior do concelho não pode resumir-se a umas hortas pedagógicas ou a algumas repavimentações de estradas!
Isso é uma ninharia quando comparado com o custo benefício dos avultados investimentos em Festas, Regatas e Conferências!
Não sou defensor da política municipal reduzida ao "Portugal dos Pequeninos".
Mas acredito que o desenvolvimento harmonioso do concelho, criando emprego e oportunidades também no interior do município é uma tarefa em primeira linha do executivo municipal.
O executivo municipal que não queira entender isso, não está a cumprir com a tarefa que lhe foi atribuída no dia das eleições!
Com este tipo de Políticas, é certo que a notoriedade do Presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, sobe de forma vertiginosa.
Só resta aos munícipes que vivem no interior do concelho esperar que lhes saia o euromilhões para se mudarem para uma casa à beira-mar?
Enquanto sobe a notoriedade de Carreiras, desce a esperança dos munícipes de Cascais do interior do Concelho!